Justiça proíbe cartaz racista combatido pela Comissão do Negro da OAB

Presidente Stocco debate melhorias nas comarcas na corregedoria do TJ
11 de setembro de 2015
Segunda etapa da grande reforma é a consolidação da união da advocacia
20 de setembro de 2015

Justiça proíbe cartaz racista combatido pela Comissão do Negro da OAB

A Comissão do Negro da 12ª Subseção da OAB-SP, coordenada pela Dra. Renata Oliveira, foi uma das signatárias da representação encaminhada ao MP por 8 entidades que combatem o racismo, por entender importante da luta contra o estereótipo de se associar os negros a marginais.

negroA representação (leia Comissão da OAB faz representação contra panfleto racista) junto ao Ministério Público aconteceu no dia 02.06.2014, juntamente com lideranças do Movimento Negro, para que se apurasse a denúncia contra a ACIRP (Associação Comercial de Ribeirão Preto) e a PM (Polícia Militar), em virtude de cartaz divulgado em campanha de segurança pública, em que uma pessoa branca, é espreitada por um marginal negro, reforçando assim um inadmissível estereótipo racista.

“Em que pese a alegação de que se trata apenas de um individuo retratado como sombra ou silhueta, a investigação do MP será de fundamental importância para apuração da verdade dos fatos e de discussão sobre o racismo institucional que insiste em permear as ações de órgãos públicos em nosso país”, disse à época, Eduardo Silveira Martins, coordenador da CNAA.

Na decisão, o governo do Estado de São Paulo foi proibido pela Justiça de veicular propagandas que associem uma figura negra a um criminoso, sob pena de multa diária de R$ 100 mil.
A decisão é do juiz Reginaldo Siqueira, da 1ª Vara da Fazenda de Ribeirão Preto. Em sentença proferida na sexta-feira passada (4), ele julgou parcialmente procedente a ação civil pública movida pelo MP e Defensoria e condenou a Fazenda Pública do Estado e a Acirp (Associação Comercial e Industrial), que financiou a campanha, a “não mais veicular a campanha publicitária exatamente como se fez constar no cartaz (…), ou seja, com ladrão pintado com cor de pele negra”.

Após a polêmica, a Polícia Militar determinou a destruição dos cartazes, apesar de negar racismo.

Contra o Estereótipo
Na opinião de Renata Oliveira, coordenadora da Comissão do Negro da OAB, a decisão judicial foi positiva por proibir a veiculação de novas campanhas associando os negros aos criminosos.
“Nosso objetivo foi justamente lutar contra esse estereótipo”, afirmou ontem ao jornal A Cidade.

Colaborou Jornal ACidade

negro2

Os comentários estão encerrados.